Tradições de Natal

Yule e as Tradições de Natal

Chega a esta altura do ano e todos nós começamos num rodopio, para comprar presentes, para montar árvores com luzes, para arranjar uma qualquer decoração que dê significado à data. Dizem eles, os do deus único, que esta festa existe para celebrar o aniversário de um profeta, porque para eles os profetas têm idade. Mas eu gostaria de demonstrar o contrário: todas estas tradições de “Natal” têm origens muito mais antigas, e também muito mais divertidas, do que nos querem fazer crer com os seus estandartes vermelhos com um menino coroado nas janelas!

Todos os anos, no dia 9 de Dezembro (dia de aniversário do meu pai) montamos uma árvore de Natal. Já o fazia na casa da minha mãe e agora, na minha própria casa, tenho uma árvore pequenina que já veio com a decoração incluída (à qual acrescentei algumas coisas minhas). A árvore provém da tradição romana de Saturnália, para homenagear o deus Saturno, deus da abundância, agricultura e renovação. Símbolo de paz e felicidade, conferia protecção aos que se sentavam debaixo dela. Também a troca de presentes, sem dúvida a minha tradição preferida, era parte deste festival. Eram trocados amuletos de sorte e promoviam a caridade para com os desfavorecidos, o que era algo de bastante especial na época da Roma Antiga.

Árvore de Saturnália

Para além da data, que coincide de forma muito conveniente com os planos do Solstício de Inverno (Yule para os pagãos), existem também outros elementos que são retirados descaradamente das tradições do norte da Europa. Por exemplo, o azevinho era uma planta popular entre os celtas, nórdicos e nativo-americanos, simbolizando a paz e a felicidade. Por exemplo, os antigos vikings deveriam depor armas se encontrassem um inimigo debaixo do azevinho, protelando a sua batalha até ao dia seguinte. Daí a tradição americanizada do beijo debaixo do azevinho (que felizmente nunca se popularizou muito por cá, isto numa perspectiva puramente pessoal!). Curiosamente, o azevinho também era um forte amuleto contra a trovoada.

Finalmente, as músicas de Natal, “Christmas Carols” ou as nossas “Janeiras” estão associadas ao Yule celta. Nesta época havia um especial cuidado na reprodução de músicas e danças de alegria, associadas à abundância e a transição da estação.

Deus Azevinho

O Yule é um feriado que simboliza a transição, o adormecer da terra para que possa recuperar e dar frutos novamente. É a chegada do Rei Azevinho, forte inspiração para o conhecido Pai Natal da Coca Cola, e celebramos a sua união com a Grande Deusa. Esta incubará a semente durante todo o Inverno e poderemos encontra-la nas frias luas desta estação, misteriosa, brilhante e cheia de significados.

Apesar do furto descarado de tradições, não deixa de ser o meu feriado preferido. Espero que estas nunca caiam no esquecimento e que possamos continuar a fazê-las, nem que seja sob o disfarce de um outro deus.

3 opiniões sobre “Tradições de Natal

  1. Este ano olhei para uma série de estandartes do MJ (muito populares aqui nesta zona beta) e só via corações em sangue. Agora não consigo deixar de ver ^_^;
    Pensava que o Pai Natal era inspirado na figura do São Nicolau, que se vestia de modo semelhante, só que em verde, tinha barbas compridas, chapéu pontiagudo e um cajado. Acho que também distribuía prendas, ou doces, ou frutos secos, mas não sou entendida na matéria.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s